segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Rins ao molho madeira


 Tomei um boa-noite cinderela e acordei numa banheira com gelo. Sem os rins.
Da cozinha, que aparecia aos bocados desvelados por uma cortina de peixinhos, vinha um cheiro bom – salsinha, noz moscada, pimenta. Demorou um pouco para a vista ficar nítida, e quando eu pude ver, o que eu via era um par de pernas longas e brancas e estreitas sobre saltos altíssimos vindo em minha direção. Um pedaço de carne surgiu bem na minha cara, espetado por um garfo prateado de dentes longos e agudos, segurado por uma mão branca de dedos longos e unhas vermelhas e agudas. Provei. Rins ao molho madeira.
As horas passam devagar quando você está imobilizado numa banheira com gelo. A cirurgia de extração do fígado foi minha maior distração durante aqueles dias, depois de contar os azulejos visíveis, que eram oitenta e dois, três quebrados, e os peixinhos da cortina, que eram setenta e cinco, os verdes com um a mais que os azuis. A operação foi interessante também porque durou vários dias, e ela arrancava um pouquinho só de cada vez, um lance meio Prometeu Acorrentado. Primeiro me serviu o fígado acebolado, o que trouxe péssimas recordações de uma anemia na infância. Depois o trouxe numa pastinha fria, à moda judaica, servida com torradas. Por último, ela adaptou uma receita de foie gras para fígados magros e humanos, e me serviu uma bela fatia retangular do meu próprio pâté. Textura riquíssima, untuoso, muito macio; motivo pelo qual eu preferia que ela tivesse guardado um pouco para o dia seguinte, quando tirou a minha língua, que serviu fervida e fria, em fatias finas, ao molho vinaigrette.
Quando ela arrancou minhas tripas, achei que ia jogar para os cachorros. O que ela atirou para os cães, depois, foram meus pulmões, os bofes, e outros órgãos menores; para as tripas ela tinha outros planos. Um barulho de motor vindo da cozinha me chamou a atenção, e eu tentei me mexer para ver: era uma máquina de encher linguiças. Qual era a carne do recheio, eu percebi quando me movi e os ossos nus da bacia bateram contra a parede fria da banheira. Aquela mulher estava comendo a minha bunda.
No último dia, acordei com o aroma e o chiadinho ligeiro de fritura vindo da cozinha. Me inclino para ver: sobre a pia, shoyu, vinagre, açúcar, uma lata de abacaxi. Ela apenas salteava as fatias finas na frigideira, para que a carne não ficasse dura.
Aquela receita eu conhecia. Os chineses fazem com porco, mas porcos gritam demais ao morrer – morrem de um golpe só, no pescoço, e jorra sangue, e como gritam. Mas a receita, como eu ia dizendo, era coração ao molho agridoce.

3 comentários:

  1. Só posso usar um outro órgão para falar o que penso desse conto: Caralho...!

    ResponderExcluir
  2. fiquei meio ano tentando DESselecionar SEGUNDA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2011

    ResponderExcluir